11
Jun

O show de horrores da Moschino!

O terror não está famoso apenas nos cinemas, com diretores de renome como Jordan Peele e Stephen King e longas premiados como ”Nós” e ”Corra”, essa tendência também dominou as passarelas, onde Jeremy Scott, apresentou uma ”assustadora” coleção na gripe italiana, Moschino. Para o estilista mais pop da cena, não há regras e dessa vez ele provou que essa teoria é real.

Talvez a temporada Cruise – ou resort – não tenha sido a melhor escolhida para apresentar a coleção que foi desfilada em Los Angeles, no Universal Studios que teve a abertura reencenando o clássico “Pânico” que conta com a participação de Drew Barrymore.

O primeiro bloco do desfile é o que menos me chama atenção, com looks que me parecem figurinos e particularmente, não me agrada muito. Já o segundo e terceiro bloco nos apresenta formas volumosas, sapatos pesados dando ênfase no corturno, além de uma homenagem aos clássicos, com personagens de O Iluminado servindo de padronagem.

Os acessórios, como sempre, dominam a passarela e são o que fazem nossa respiração ficar ofegante. Com bolsas que eu facilmente poderia afirmar terem sido feitas pelo nosso brasileiro Luan Zumbi, os acessórios são o ponto chave da coleção, mostrando todo o poder criativo de Jeremy Scott que assinou a coleção inteira.

E aí, o que vocês acharam dessa coleção? Eu já quero várias peças hahahah e como o trend setter Jeremy Scott disse ” Para nós, é Halloween o ano todo”

Comenta aí o que você achou!

Até o próximo…

XOXO

 




Compartilhe:

0 Comentários

22
Mai

5 acessórios que definitivamente serão trends nesse inverno

Em tempos onde um lado defende o resgate do clássico e o outro lado luta pela exacerbação do que é excêntrico camp (como foi o último MET gala), será comum o surgimento de trends um pouco controvérsias. Graças ao Minimalismo vs Maximalismo, cuja ‘’luta’’ parece que nenhum lado perde, as permeiam entre o que há de extravagante e elegante, trazendo duas palavras que definem muito bem essa temporada: polimento e refinação.

Portanto, guarde aquele daddy shoes tipo Balenciaga e dê espaço para o salto Mary Jane, as botas a cima do joelho e ao elegante gatinho. Por outro lado, invista naquela bolsa de ombro no estilo burguês dos anos 70, que pode ser usada transversalmente ou uma mão elegantemente cuidada como na Prada. Sim, coisa de burguês mesmo rs.

Os chapéus, nunca pareceram tão interessantes (amo o drama que carrega) e as estampas de cobra (inúmeras em versões falsa) roubam total o mood animal print e as pérolas ganham espaço e solidez, em brincos, colares e tiaras. Enfim, vamos à lista:

 

1 – BOTAS SUPER PESADAS

O estilo grunge com certeza continuará firme com os dois pés e com ele, surgem as botas pesadas e tratoradas. Com correntes, bolsos e tiras transpassadas, as botas da Prada agregam uma atitude destemida ao look, já Dries Van Noten parecia ansioso para inaugurar as botas de borracha na plataforma. Tudo muito carregado.

 

Dries Van Noten

 

Dior

 

Alexander McQueen

 

Loewe

 

2 – SALTO MARY JANE.

É exatamente esse o sapato que aparece em reação as botas grunge. O refinamento que reina através daqueles acessórios tradicionalmente femininos, ganha foco em desfiles como Dolce & Gabbana, Bottega Veneta, Dior e – meus favoritos – na Miu Miu.

Dolce & Gabbana
Hermes

 

Miu Miu

 

Maison Margiela

 

Paco Rabanne

 

3 – Os mega brincos de pérola 

Dê graças aos filmes ”A Favorita” e ”The Queen Mary of Scots” pela predominância das pérolas nas passarelas. Realmente parece que os designers só conseguiram olhar para estes filmes. Em tempos de mix de um antiquado chic, como sabiamente pontuou Costanza Pascolato à Vogue Brasil, não ia demorar muito para as pérolas extremamente barrocas voltarem a dar as caras e foi em desfiles da Chanel e Dolce & Gabbana que elas ganharam terreno.

Emilia Wickstead

 

Chanel

 

 

4 – OS MAIS VARIADOS TIPOS DE CHAPÉUS

Para e pensa em todos os nomes de chapéu que você possui na sua memória… vai por mim, as passarelas de outono dobraram tudo isso. De baldes à caçadores de veados, fedoras à toucas de natação e gorros. Parece que realmente tem espaço para todo mundo, né?

Dior

 

Nina Ricci

 

Louis Vuitton

 

5 – A bolsa transpassada total anos 70

Hedi Slimane causou polêmica ao entrar na Celine (sim, sem acento) porém, parece que agora ele se encontrou na maison. Revisitando os arquivos da Grife, Hedi nos trouxe um canfona chic, um antiquado que choca e que além de tudo, se mostrou muito interessante, ainda mais pela redenção que trouxe de volta, com força máxima as bolsas com alças compridas da era dos anos 70, assim como usava a burguesia francesa. Com o objetivo de deixar as mãos livres, como pede a praticidade, vamos às melhores opções:

Celine

 

Givenchy

 

Michael Kors

 

E aí, o que acharam do que nos aguarda, hit ou flop? Comenta aí!

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

15
Mai

Kim Kardashian & Paris Hilton: BFF’s ou nem?

A long time ago, Kim Kardashian fazia de tudo para aparecer em uma foto com a então ”amiga”, Paris Hilton. Era os anos 2000 e nem preciso relembrar a turma Paris Hilton, Lindsay Lohan e Britney Spears, né? Rainha dos holofotes e it-girl favorita dos paparazzis, a loira poderia ser o ponto de partida para Kim entrar de vez  mundo do entretenimento e cultura pop. Talvez, ela não estivesse errada, mas o que ela não sabia era que ela se tornaria uma das pessoas mais famosas do planeta, influenciando milhares de jovens através de selfies, campanhas publicitárias  e acumulando mais de 100 milhões de seguidores no Instagram, sendo incomparavelmente maior do que a própria Paris, seja em números, conteúdos e alcances.

Sob o comando de Kris Jenner, mãe e relações públicas, cuja sempre foi muito amiga da família Hilton, Kim subiu degrau por degrau na ascensão social e ainda fez a carreira de todas as irmãs (por favor, não me diga que você duvida disso) construindo um império, que juntas, soma mais que bilhões de dólares.

Com muita inteligência e time comercial, Kim elevou o sobrenome Kardashian a outro patamar, se mostrando muito mais relevante – e profissional – para a cultura pop, do que Paris Hilton sempre aparentou (sem nunca desmerecer o papel de Paris, pois assumo que sou fã, rs), cuja, em diversas entrevistas afirma que Kim e sua família a deve a vida, pois ela ”inventou” Kim Kardashian. Não podemos negar que Paris teve papel primordial na criação da imagem da protagonista de Keeping up with the Kardashian’s, entretanto, Kim se manteve sozinha e mais ainda, está cada vez mais cotada para os eventos e premiações mais seletas desse mundo, do qual ela representa. AUGE!

 

Águas passadas, parece que as celebridades voltaram a ter a amizade de antes, ou até um pouco mais real, onde Paris é frequentemente vista ao lado de Kim, visitando sua casa e participando de comemorações da família Kardashian, onde até o ano novo elas passaram juntas e anunciaram para o mundo a volta dessa amizade que, na verdade, ninguém superou o ”fim”. Pode ser que Paris queira embarcar na influência da tal amiga e reconquistar seu lugar nos tabloides (o mundo dá voltas, né? cuidado hahah)  como pode ser que ambas tenham se entendido e mais maduras, voltaram a ter a relação de antes.

Recentemente, Paris Hilton lançou a música #BestFriendsAss, cujo clipe, terá a participação de sua melhor amiga (alô Nicole Richie) Kim Kardashian, onde juntas, com roupas iguais ( clara alusão ao aniversário de Paris de 21 anos em que ela usou um micro vestido de swarovski e Kendall Jenner usou um look mega parecido, também em seu aniversário de 21, mais de 10 anos depois) estarão festejando e celebrando essa união. Que a família Kardashian & Hilton tem uma longa história juntas, é fato, agora me fala aí, o que esperar dessa amizade???

 




Compartilhe:

0 Comentários

05
Mai

Chanel apresenta a primeira coleção com Vivienne Viard por trás

Anthony Harvey

 

A falta de Karl Lagerfeld no mundo da moda é indiscutível, porém, analisando a nova coleção Cruise da Chanel, podemos afirmar que Vivienne Viard, que era braço direito do Kaiser, fará um ótimo trabalho por trás da marca.

Não foi coincidência que Vivienne escolheu uma estação de trem para apresentar o show, uma das maiores paixões de Coco. Na verdade é algo bem simbólico e a Maison investiu em uma moda prática e utilitária.

 

A VOLTA DA ALFAIATARIA

Parece que o mundo se cansou um pouco da moda streetstyle e decidiu saudar o passado e olhar novamente para como as antigas casas faziam moda, resultando pela troca da bermuda ciclista que foi hit, por uma bermuda de alfaiataria, clean e fresh como pede uma coleção resort.

 

 

O TWEED DESCOLADO

Não é nenhuma novidade que o tweed é peça obrigatória nas coleções da Chanel. Reinventado inúmeras vezes, dessa vez ele apareceu combinado com jeans, da forma mais jovial e moderna possível. Já os casaquetos foram apresentados da forma mais utilitária possível, com vários bolsos.

 

CORES VIBRANTES E A EXPLOSÃO ROSA

A nova estilista da Chanel recuperou o tom nos maxicasacos e trench coats. As botinhas bicolores de cano baixo agregaram diversão ou classicismo ao look, dependendo da cor. As pochetes continuam com seu espaço no conjunto, porém, dessa vez apareceram bem menores, praticamente como cintinhos que servem para marcar a silhueta. Os casacos de cores vibrantes apareceram combinados com as bermudas de alfaiataria.

 

OS VESTIDOS COM BABADOS DOMINARAM                               

A primeira parte do desfile foi preenchida com cores sóbrias e saturadas, calças largas e os vestidos com maxibabados em tecidos fluidos, representando um romantismo moderno. Alguns laçarotes também apareceram na passarela, como um esperto truque de styling.

 

Comenta aí o que acharam do novo desfile da Chanel, sendo o primeiro coordenado por Vivienne Viard.

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

01
Abr

Qual o rolê?? IZA no ”Nos Trilhos”

Foto: No olhar do satélite

Vou começar dizendo que não esperava que meu sábado fosse tomar tal rumo. Estava num churrasco de família quando meu primo solta que iria no show da Iza, num rolê localizado na Mooca, o Nos Trilhos. Confesso que nem sabia que a Iza faria um show lá e sempre tive muita vontade de vê-la ao vivo, assim como sempre tive muita vontade de ir nesse rolê, como nunca tinha feito nem um, nem outro, achei que seria a oportunidade perfeita de realizar ambos.

Chegando lá, logo fica clara a atmosfera fantasiosa e levemente undergrownd que o rolê carrega. Como nunca tinha ido, o misto de ansiedade e descoberta estava presente nos meus sentimentos. Passando por uma linha de trem desativada em São Paulo, chegamos ao local onde as atrações realmente acontecem. OOh, a música rolando, uma festa que foi realizada apenas por meninas, contava com hits de divas pop como Rihanna, Fergie e Lady Gaga, e clássicos inspiradores e nostálgicos como Lauryn Hill.

A pista é grande, abriga uma grande multidão de pessoas sem algum perrengue, o lugar é aberto e arejado. A única coisa que deixou um pouco a desejar foi o bar (que nessa festa apenas tinha um tipo de cerveja para servir e não era a das melhores rs, porém, havia outros drinks no menu, mas como bom cervejeiro que sou, senti falta kkk)

Foto: Bares SP

Após algumas horas de festa, chegou o momento esperado: IZA SOBE AO PALCO. Admiro o trabalho dela, porém nunca fui loucamente fã (até presente momento) portanto, fui esperando uma apresentação boa, porém nada extraordinário e aconteceu algo que eu amo: estar errado. A presença de palco dela é incontestável, sua habilidade vocal em conjunto com a banda beira a perfeição e eu realmente não esperava ver o que vi naquela noite (está tudo no meu destaque ”SP por aí” no instagram, só clicar aqui )

Com covers arriscados como Bad Romance de Lady Gaga e Alcione, Iza mostrou toda sua potência vocal no palco e sendo bem claro e sem mais delongas, ela matou com bondade! Parabéns Iza, sou incapaz de achar algum defeito <3

NOTA PRO ROLÊ: 9,5

NOTA PRA IZA: 10

Quem ainda não foi no ”Nos Trilhos” vá, sério! E quem já foi, comenta aí e compartilha com a gente como foi sua experiência.

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

29
Mar

O olhar de Rei Kawakubo e a importância da Comme des Garçons

Aos 76 anos, dona de um pensamento visionário através do intelecto, Rei Kawakubo não é só uma criadora excepcional, com 30 anos de mercado através de sua grife Comme Des Garçons ela segue muito radical, através de sua silhueta quase improvável ela ainda carrega a essência pela qual ficou conhecida: a antimoda.

Dita como ‘’a provável mais importante designer de moda do mundo’’ pelo jornal The Guardian, ela também foi a segunda estilista viva a ganhar uma retrospectiva de sua obra no Metropolitan Museum of Art, há dois anos (homenagem que apenas Yves Saint Laurent teve em vida). Com um olhar sempre surreal das proporções, a japonesa, que raramente dá entrevistas, comentou recentemente a Vogue Inglesa que está cansada, que possui muitos funcionários para ordenar e que se fosse sozinha, já teria parado.

Casada desde 1992 com Adrian Joffe, que é seu porta voz toda vez que ela precisa falar com alguém que não fale japonês, ela cria e molda seu trabalho através de um talento conceitual que resultou em uma marca que hoje vale 220 milhões de dólares.

Foi através dessa técnica surreal, que mistura uma silhueta dos anos 1700 com um xadrez grunge, que essa artista visionária (cuja não gosta de ser chamada assim e já afirmou que moda não é arte) conquistou o título de antimoda nos anos 80, pois nunca seguia a moda da época – ou de época alguma – e fez o que menos queria: revolucionou a nossa forma de olhar para a moda, o corpo, a realidade e o mundo em si, seja pela proporção não usável de seus ‘’vestidos’’ ou pelas criações de peças que não sei se podemos chama-las de roupas.

Rihanna usando criação de Rei Kawakubo no MET 2017

Talvez seja ironia do destino, porém, hoje ela não perde uma temporada de Paris e é sempre um dos desfiles mais comentados da semana. Submetida a um talento que clama mais do que um senso comum, a pequena japonesa, com um gigante cérebro, sempre vestida de preto, Rei Kawakubo fez/faz história à frente de seu tempo e esperamos ansiosos pelo o que ela ainda tem a fazer.

Comenta aí o que você acha de Rei Kawakubo e a Comme des Garçons!

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

14
Mar

Você conhece as aquarelas eróticas e delicadas de Tina Maria Elena?

Tina Maria Elena é uma artista visual, meio dinamarquesa e meio francesa que vive na Dinamarca. Suas criações são marcadas por um erotismo super delicado á base de aquarela. Suas criações transitam entre colagens e pinturas que podem levar acrílica no processo de criação.

Saindo um pouco do comum quando falamos de arte erótica, as criações de Tina carregam cores vibrantes e valorizam o poder de sinergia entre duas pessoas, fugindo da superficialidade e valorizando o tato e a fluidez do ”corpo humano”

Sua técnica caminha entre o figurativo e o abstrato, visto que suas formas e linhas não possuem delimitações, fazendo uma direta alusão a conexão de corpos durante o ato sexual.

O que vocês acham dessa outra visão para a arte erótica? Comenta aí!

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

13
Mar

Meninos vestem rosa!

Aproveitando todas as atrocidades e bizarrices que está acontecendo nesse novo governo (cujo não me representa!), hoje vim trazer algumas idéias de looks masculinos para a gente se inspirar, e todos têm como principal composição, a cor rosa! <3

Não faz muito tempo que a Pantone divulgou o rosa millenial como cor do ano (2017, se não me engano) e a cor veio para ficar. Ela aparece em diferentes tonalidades, porém segue firme no closet masculino.

Aproveitando que o verão continua firme e forte, e fazendo uso daquele shorts de academia que bombou em looks bem montados no streetstyle, chegou a sua hora de tentar. A composição desse look normalmente atende a ocasiões mais casuais. Também é hit de fashionista combinar o rosa com o vermelho e um bom ugly shoes para arrematar o look final.

O listrado (e o xadrez) serão trend no inverno 2019, porém você já pode começar a compor seu look a partir de agora… usando uma calça de sarja listrada combinada com uma t-shirt over rosa, por exemplo.

Outra forma muito legal de usar o rosa é brincar com o ponto de cor. Ao invés de você partir da cor para montar o look, use-a como destaque em algum acessório, além de ser super ousado e moderno, também é muito chic!

O neon também segue firme. No inverno, investir em gola alta é certeiro, se for um moletom com uma pegada street off-white, melhor ainda. O neon foi o responsável por ser ponto de partida de coleções anteriores e parece que ele ainda vai aparecer nessa temporada.

O monocromático é uma das formas mais clean e fashion de usar essa trend. Além de ser super moderno e sofisticado ele traz clareza ao look. Atente-se ao aos acessórios, eles não devem brigar com o look e sim completa-lo.

Bom, por hoje é isso! O que acharam dos looks? vocês gostam de usar rosa também? Comenta aí!

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

30
Jan

Tendências masculinas inverno 2019/20 segundo as semanas de moda

Bom, agora que as semanas de moda ”acabaram” (jajá começa tudo de novo) chegou a hora de reunirmos as melhores partes e trazer o feedback do Garotos Urbanos sobre quais serão as maiores tendências para o inverno 2019/20.

ROUPAS BICOLOR

Balmain Winter 2019/20
Biuu Winter 2019/20
Acne Studio Winter 2019/20

Podemos chamar essa tendência até de algo um pouco ”esquizofrênico” porém a técnica aparece de foma belíssima, em desfiles como Balmain, Acne Studio, Biuu e Off-White, seja em casacos dupla face ou em jaquetas jeans misturada com alfaiataria, como na Dior que veio com a alfaiataria virada para o lado de fora, porém, de forma impecável.

DOUDOUNE

Vetements Winter 2019/20
Moncler

Sabe aquele casaco bem fofo, de forma acolchoada, conhecido como Doudoune? Pois bem, ele apareceu horrores durante os desfiles masculinos da semana de moda. Grifes como Vetements, Moncler (que faz as doudounes mais impecáveis possíveis) e Dries Van Noten – que trouxe a doudone num terno- apresentaram o tecido em suas coleções. Eu, particularmente não sou grande fã, porém não vou dizer que não vou usar, principalmente essa prateada, bem futurista da Moncher, vai que pago a lingua, né??

CORES FORTES – NEON

Craig Green Winter 2019/20
Craig Green Winter 2019/20
Craig Green Winter 2019/20

Grifes como a Craig Green é uma das que melhor representa a moda do neon, que todos já estão cansados de saber e ver como ela pegou. De uma forma quase nada usual, a grife trouxe peças estruturadas, futuristas e que podem, sim, despertar desejo. Seja pela sensação que ela causa ou pelas peças nada comerciais que usam de uma tendência street para criar.

De uma forma mais usual, porém ainda muito chamativa, a tendência também apareceu em outros desfiles, em cores como o laranja.

LET IT DRAG – A ENTRADA DO GUARDA ROUPA FEMININO PARA O MASCULINO E O FIM (AMÉM) DO HOMEM MÁSCULO E VIRIL

Thom Browne Winter 2019/20
Art School Winter 2019/20

Charles Jeffrey Loverboy Winter 2019/20
Charles Jeffrey Loverboy Winter 2019/20
Tom Browne Winter 2019/20

Tom Browne Winter 2019/20
Louis Vuitton Winter 2019/20
Louis Vuitton Winter 2019/20

Seja pela cintura marcada na alfaiataria de Thom Browne e ternos que parecem vestidos (ou vestidos que parecem ternos?), as (muitas!) saias plissadas da Louis Vuitton e outras grifes ou a total androginia de Charles Jeffrey Loverboy, está bem explicito a influencia do closet feminino no closet masculino. Também fica claro o fim daquele homem viril e másculo, o que é extremamente progressista e sensível, pois de forma totalmente direta a moda está quebrando o tabu do homem com uma masculinidade frágil onde ele se encontra totalmente limitado em suas escolhas, e eu estou amando. O futuro está aí, dando um tapa na cara dos preconceituosos e mostrando que esse é o caminho.

MUITA BOLSA

Louis Vuitton 2019/20

Louis Vuitton Winter 2019/20
Fendi Winter 2019/20
Fendi Winter 2019/20
Dries Van Noten Winter 2019/20

Foi-se o tempo em que nós, meninos, usávamos apenas mochila e pasta de escritório. Chegou a nossa hora de se divertir (slay bitchesss!). Com criações ultra desejáveis, como a bolsa neon da Louis Vuitton que acende no escuro, ou a clássica Baguette da Fendi, as bolsas entraram real para o mundo e o guarda roupa masculino. Bolsas tipo speed da Vuitton, pochetes, MUITA slim bag como na Dior e Hermes criaram o entusiasmo de quem assistia, visando um futuro muito mais inclusivo e fashion para os meninos. Definitivamente é o fim da bermuda e chinelo e terno preto alinhado com uma clássica pasta.

Agora, mais do que nunca, com o mundo caminhando para onde está, em situações políticas que testam sua esperança, a moda, como maior produtora de arte da atualidade, tem a responsabilidade de se posicionar e aparentemente, ela está do lado certo. Agora, só posso dizer que estamos extremamente ansiosos para o que está por vir.

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

23
Jan

A Maria Antonieta moderna na Chanel Haute Couture

Getty Images

O dia era de neve na terça feira em Paris (dia que regradamente acontece os desfiles da Chanel na temporada de Alta Costura), mas parece que karl Lagerfeld além de um espetacular designer, agora também prevê a temperatura e, lógico, faz o contrário. Na temporada passada, em meio á chuva, o Kaiser trouxe uma praia para o cenário da Chanel – aqui – dessa vez, em meio a neve espeça, ele nos apresenta uma locação bem tropical com altos pinheiros numa coleção que foi batizada de ”Villa Chanel” longe do clima real que estava em Paris.

O primeiro bloco de looks do desfile é marcado por um mood mais romântico (percebe-se pela trilha sonora) onde os looks a lá francesa vem primeiro. Logo depois a trilha se transforma em algo mais dramático, pesado entrando em uma simbiose perfeita com os looks mais estruturados, em saias bufantes e cortes geométricos.

As peças eram bem alinhadas, com bastante pluma, pedraria, bordados e florais traduzidos em looks volumosos inspirados no século XVIII. Os acessórios conversavam diretamente com os looks, em brincos de brilhantes e sapatos altos tipo Mule.

O truque de Styling mistura, na medida, o clássico e o moderno (despertando aquele desejo que só a Chanel sabe criar, que passa da neta para a avó, da mulher mais clássica até a mais moderna, conversando com todas elas e despertando a sensação de desejo para a famosa mulher Chanel) como em um look branco total drama de saia longa de tule e plumas com uma mini jaqueta de couro estilo motoqueiro.

No final do desfile, a noiva da Chanel aparece de maiô cintilante, com uma espécie de touca capacete que dava sustentação a um longo véu.

Para a surpresa de todos os 600 espectadores, Karl Lagerfeld não saiu para agradecer e sim sua braço direito Virginie Viard, alimentando ainda mais o boato de aposentadoria.

No geral foi um desfile bem completo, em uma estética bem Chanel, onde dessa vez o tweed apareceu reinventado em lã. Como foi bastante comentado em outros desfiles, parece que a estética francesa e a estética italiana estão se misturando (seja no comportamento, no corte, costura etc) e Karl cinematograficamente nos levou a uma clássica vila italiana. Agora, vamos aguardar quais serão os próximos passos de Lagerfeld na Chanel, ou, quem sabe, fora dela.

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários