30
Jan

Tendências masculinas inverno 2019/20 segundo as semanas de moda

Bom, agora que as semanas de moda ”acabaram” (jajá começa tudo de novo) chegou a hora de reunirmos as melhores partes e trazer o feedback do Garotos Urbanos sobre quais serão as maiores tendências para o inverno 2019/20.

ROUPAS BICOLOR

Balmain Winter 2019/20
Biuu Winter 2019/20
Acne Studio Winter 2019/20

Podemos chamar essa tendência até de algo um pouco ”esquizofrênico” porém a técnica aparece de foma belíssima, em desfiles como Balmain, Acne Studio, Biuu e Off-White, seja em casacos dupla face ou em jaquetas jeans misturada com alfaiataria, como na Dior que veio com a alfaiataria virada para o lado de fora, porém, de forma impecável.

DOUDOUNE

Vetements Winter 2019/20
Moncler

Sabe aquele casaco bem fofo, de forma acolchoada, conhecido como Doudoune? Pois bem, ele apareceu horrores durante os desfiles masculinos da semana de moda. Grifes como Vetements, Moncler (que faz as doudounes mais impecáveis possíveis) e Dries Van Noten – que trouxe a doudone num terno- apresentaram o tecido em suas coleções. Eu, particularmente não sou grande fã, porém não vou dizer que não vou usar, principalmente essa prateada, bem futurista da Moncher, vai que pago a lingua, né??

CORES FORTES – NEON

Craig Green Winter 2019/20
Craig Green Winter 2019/20
Craig Green Winter 2019/20

Grifes como a Craig Green é uma das que melhor representa a moda do neon, que todos já estão cansados de saber e ver como ela pegou. De uma forma quase nada usual, a grife trouxe peças estruturadas, futuristas e que podem, sim, despertar desejo. Seja pela sensação que ela causa ou pelas peças nada comerciais que usam de uma tendência street para criar.

De uma forma mais usual, porém ainda muito chamativa, a tendência também apareceu em outros desfiles, em cores como o laranja.

LET IT DRAG – A ENTRADA DO GUARDA ROUPA FEMININO PARA O MASCULINO E O FIM (AMÉM) DO HOMEM MÁSCULO E VIRIL

Thom Browne Winter 2019/20
Art School Winter 2019/20

Charles Jeffrey Loverboy Winter 2019/20
Charles Jeffrey Loverboy Winter 2019/20
Tom Browne Winter 2019/20

Tom Browne Winter 2019/20
Louis Vuitton Winter 2019/20
Louis Vuitton Winter 2019/20

Seja pela cintura marcada na alfaiataria de Thom Browne e ternos que parecem vestidos (ou vestidos que parecem ternos?), as (muitas!) saias plissadas da Louis Vuitton e outras grifes ou a total androginia de Charles Jeffrey Loverboy, está bem explicito a influencia do closet feminino no closet masculino. Também fica claro o fim daquele homem viril e másculo, o que é extremamente progressista e sensível, pois de forma totalmente direta a moda está quebrando o tabu do homem com uma masculinidade frágil onde ele se encontra totalmente limitado em suas escolhas, e eu estou amando. O futuro está aí, dando um tapa na cara dos preconceituosos e mostrando que esse é o caminho.

MUITA BOLSA

Louis Vuitton 2019/20

Louis Vuitton Winter 2019/20
Fendi Winter 2019/20
Fendi Winter 2019/20
Dries Van Noten Winter 2019/20

Foi-se o tempo em que nós, meninos, usávamos apenas mochila e pasta de escritório. Chegou a nossa hora de se divertir (slay bitchesss!). Com criações ultra desejáveis, como a bolsa neon da Louis Vuitton que acende no escuro, ou a clássica Baguette da Fendi, as bolsas entraram real para o mundo e o guarda roupa masculino. Bolsas tipo speed da Vuitton, pochetes, MUITA slim bag como na Dior e Hermes criaram o entusiasmo de quem assistia, visando um futuro muito mais inclusivo e fashion para os meninos. Definitivamente é o fim da bermuda e chinelo e terno preto alinhado com uma clássica pasta.

Agora, mais do que nunca, com o mundo caminhando para onde está, em situações políticas que testam sua esperança, a moda, como maior produtora de arte da atualidade, tem a responsabilidade de se posicionar e aparentemente, ela está do lado certo. Agora, só posso dizer que estamos extremamente ansiosos para o que está por vir.

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

23
Jan

A Maria Antonieta moderna na Chanel Haute Couture

Getty Images

O dia era de neve na terça feira em Paris (dia que regradamente acontece os desfiles da Chanel na temporada de Alta Costura), mas parece que karl Lagerfeld além de um espetacular designer, agora também prevê a temperatura e, lógico, faz o contrário. Na temporada passada, em meio á chuva, o Kaiser trouxe uma praia para o cenário da Chanel – aqui – dessa vez, em meio a neve espeça, ele nos apresenta uma locação bem tropical com altos pinheiros numa coleção que foi batizada de ”Villa Chanel” longe do clima real que estava em Paris.

O primeiro bloco de looks do desfile é marcado por um mood mais romântico (percebe-se pela trilha sonora) onde os looks a lá francesa vem primeiro. Logo depois a trilha se transforma em algo mais dramático, pesado entrando em uma simbiose perfeita com os looks mais estruturados, em saias bufantes e cortes geométricos.

As peças eram bem alinhadas, com bastante pluma, pedraria, bordados e florais traduzidos em looks volumosos inspirados no século XVIII. Os acessórios conversavam diretamente com os looks, em brincos de brilhantes e sapatos altos tipo Mule.

O truque de Styling mistura, na medida, o clássico e o moderno (despertando aquele desejo que só a Chanel sabe criar, que passa da neta para a avó, da mulher mais clássica até a mais moderna, conversando com todas elas e despertando a sensação de desejo para a famosa mulher Chanel) como em um look branco total drama de saia longa de tule e plumas com uma mini jaqueta de couro estilo motoqueiro.

No final do desfile, a noiva da Chanel aparece de maiô cintilante, com uma espécie de touca capacete que dava sustentação a um longo véu.

Para a surpresa de todos os 600 espectadores, Karl Lagerfeld não saiu para agradecer e sim sua braço direito Virginie Viard, alimentando ainda mais o boato de aposentadoria.

No geral foi um desfile bem completo, em uma estética bem Chanel, onde dessa vez o tweed apareceu reinventado em lã. Como foi bastante comentado em outros desfiles, parece que a estética francesa e a estética italiana estão se misturando (seja no comportamento, no corte, costura etc) e Karl cinematograficamente nos levou a uma clássica vila italiana. Agora, vamos aguardar quais serão os próximos passos de Lagerfeld na Chanel, ou, quem sabe, fora dela.

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

15
Jan

O Terror real da Prada na #MFW

Um pouquinho atrasado, mas com aquela vontade de falar sobre o que vale a pena, começou a Semana de Moda de Milão, cuja, está se tornando minha fav. Hoje vamos falar sobre o desfile da Prada.

Com uma atmosfera de filme de terror (vale lembrar que o desfile teve inspiração em filmes de terror B – para fazer uma alusão aos tempos reais – tendo como principal, a obra Frankenstein – a Prada trouxe um desfile incrível na Fashion Week de Milão. Com pegada política (veremos muito essa abordagem por aqui) como foi dito pela própria Miuccia, em entrevista. O desfile masculino da grife italiana foi redondo em toda sua apresentação.

A ideia de romantismo e força prevalece em looks andróginos (teve feminino desfile também, em homenagem a criadora da obra de terror, visto que ela teve que lançar o livro anonimamente, pois no século 19, mulheres não podiam lançar livros)

Em peças militares (que continuam em alta), utilitárias (com vários bolsos ”fora do lugar”) e um truque de styling fabuloso, a grife questiona a representação da masculinidade (nota-se pela falta de modelos ultra masculinos e viris, na passarela, o que está caindo bastante, fato que se comprova pela mesma falta no desfile da Versace, famosa por modelos ultra esculpidos e desejáveis)

O set tinha luzes de laboratórios e raios estampados em algumas peças, interligados em um coração de tricô que vem no styling também. Com muito preto, trazendo o ”novo vampiro” e cores com personalidade, o que mais chama atenção são os três cintos entrelaçados, o chamado ”monster shoe” e toda a forma que o desfile se apresenta, seja por cardigãs em cima dos paletós, ou por jaquetas por dentro da calça.

Pode-se afirmar que a #MFW começou com pé direito, por toda sensibilidade que já conhecemos por trás da diretora criativa e herdeira da marca. Em meio a tanto caos político que está acontecendo em todo o mundo, a moda, sendo a maior expressão de arte, no tempo pós moderno, não poderia deixar de estar inserida, e fazer, no mínimo, um discurso plausível através de suas apresentações, e logicamente, Miuccia faz isso com maestria.

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários