22
Mai

5 acessórios que definitivamente serão trends nesse inverno

Em tempos onde um lado defende o resgate do clássico e o outro lado luta pela exacerbação do que é excêntrico camp (como foi o último MET gala), será comum o surgimento de trends um pouco controvérsias. Graças ao Minimalismo vs Maximalismo, cuja ‘’luta’’ parece que nenhum lado perde, as permeiam entre o que há de extravagante e elegante, trazendo duas palavras que definem muito bem essa temporada: polimento e refinação.

Portanto, guarde aquele daddy shoes tipo Balenciaga e dê espaço para o salto Mary Jane, as botas a cima do joelho e ao elegante gatinho. Por outro lado, invista naquela bolsa de ombro no estilo burguês dos anos 70, que pode ser usada transversalmente ou uma mão elegantemente cuidada como na Prada. Sim, coisa de burguês mesmo rs.

Os chapéus, nunca pareceram tão interessantes (amo o drama que carrega) e as estampas de cobra (inúmeras em versões falsa) roubam total o mood animal print e as pérolas ganham espaço e solidez, em brincos, colares e tiaras. Enfim, vamos à lista:

 

1 – BOTAS SUPER PESADAS

O estilo grunge com certeza continuará firme com os dois pés e com ele, surgem as botas pesadas e tratoradas. Com correntes, bolsos e tiras transpassadas, as botas da Prada agregam uma atitude destemida ao look, já Dries Van Noten parecia ansioso para inaugurar as botas de borracha na plataforma. Tudo muito carregado.

 

Dries Van Noten

 

Dior

 

Alexander McQueen

 

Loewe

 

2 – SALTO MARY JANE.

É exatamente esse o sapato que aparece em reação as botas grunge. O refinamento que reina através daqueles acessórios tradicionalmente femininos, ganha foco em desfiles como Dolce & Gabbana, Bottega Veneta, Dior e – meus favoritos – na Miu Miu.

Dolce & Gabbana
Hermes

 

Miu Miu

 

Maison Margiela

 

Paco Rabanne

 

3 – Os mega brincos de pérola 

Dê graças aos filmes ”A Favorita” e ”The Queen Mary of Scots” pela predominância das pérolas nas passarelas. Realmente parece que os designers só conseguiram olhar para estes filmes. Em tempos de mix de um antiquado chic, como sabiamente pontuou Costanza Pascolato à Vogue Brasil, não ia demorar muito para as pérolas extremamente barrocas voltarem a dar as caras e foi em desfiles da Chanel e Dolce & Gabbana que elas ganharam terreno.

Emilia Wickstead

 

Chanel

 

 

4 – OS MAIS VARIADOS TIPOS DE CHAPÉUS

Para e pensa em todos os nomes de chapéu que você possui na sua memória… vai por mim, as passarelas de outono dobraram tudo isso. De baldes à caçadores de veados, fedoras à toucas de natação e gorros. Parece que realmente tem espaço para todo mundo, né?

Dior

 

Nina Ricci

 

Louis Vuitton

 

5 – A bolsa transpassada total anos 70

Hedi Slimane causou polêmica ao entrar na Celine (sim, sem acento) porém, parece que agora ele se encontrou na maison. Revisitando os arquivos da Grife, Hedi nos trouxe um canfona chic, um antiquado que choca e que além de tudo, se mostrou muito interessante, ainda mais pela redenção que trouxe de volta, com força máxima as bolsas com alças compridas da era dos anos 70, assim como usava a burguesia francesa. Com o objetivo de deixar as mãos livres, como pede a praticidade, vamos às melhores opções:

Celine

 

Givenchy

 

Michael Kors

 

E aí, o que acharam do que nos aguarda, hit ou flop? Comenta aí!

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários

15
Jan

O Terror real da Prada na #MFW

Um pouquinho atrasado, mas com aquela vontade de falar sobre o que vale a pena, começou a Semana de Moda de Milão, cuja, está se tornando minha fav. Hoje vamos falar sobre o desfile da Prada.

Com uma atmosfera de filme de terror (vale lembrar que o desfile teve inspiração em filmes de terror B – para fazer uma alusão aos tempos reais – tendo como principal, a obra Frankenstein – a Prada trouxe um desfile incrível na Fashion Week de Milão. Com pegada política (veremos muito essa abordagem por aqui) como foi dito pela própria Miuccia, em entrevista. O desfile masculino da grife italiana foi redondo em toda sua apresentação.

A ideia de romantismo e força prevalece em looks andróginos (teve feminino desfile também, em homenagem a criadora da obra de terror, visto que ela teve que lançar o livro anonimamente, pois no século 19, mulheres não podiam lançar livros)

Em peças militares (que continuam em alta), utilitárias (com vários bolsos ”fora do lugar”) e um truque de styling fabuloso, a grife questiona a representação da masculinidade (nota-se pela falta de modelos ultra masculinos e viris, na passarela, o que está caindo bastante, fato que se comprova pela mesma falta no desfile da Versace, famosa por modelos ultra esculpidos e desejáveis)

O set tinha luzes de laboratórios e raios estampados em algumas peças, interligados em um coração de tricô que vem no styling também. Com muito preto, trazendo o ”novo vampiro” e cores com personalidade, o que mais chama atenção são os três cintos entrelaçados, o chamado ”monster shoe” e toda a forma que o desfile se apresenta, seja por cardigãs em cima dos paletós, ou por jaquetas por dentro da calça.

Pode-se afirmar que a #MFW começou com pé direito, por toda sensibilidade que já conhecemos por trás da diretora criativa e herdeira da marca. Em meio a tanto caos político que está acontecendo em todo o mundo, a moda, sendo a maior expressão de arte, no tempo pós moderno, não poderia deixar de estar inserida, e fazer, no mínimo, um discurso plausível através de suas apresentações, e logicamente, Miuccia faz isso com maestria.

Até o próximo…

XOXO




Compartilhe:

0 Comentários